Membros do Blog Filhos da Misericórdia...participe também!

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Fundamentos bíblicos sobre a veneração dos Corações de Jesus e Maria



Sobre a veneração de Jesus influíram, acima de tudo, dois pensamentos bíblicos: a acentuação do amor de Deus e a aprofundada reflexão sobre as chagas de Cristo, e em modo particular sobre a chaga do seu Coracao. A veneração do Coração de Maria surgiu sobretudo com a reflexão sobre as palavras do evangelista Lucas, que se referem ao Coração de Maria

Coracao de Jesus
 A revelação do amor divino


O Papa Pio XII, na sua encíclica “Haurietis aquas”, escreveu:
  • "A caridade divina para conosco – razão principal deste culto - exaltada tanto pelo Antigo como pelo Novo Testamento com imagens sumamente comovedoras’ (nº 13),
  • visto ‘que o amor divino é como o princípio e a culminância da encarnação e redenção" (nº 24).
O amor divino revelou-se de maneira mais profunda em Jesus Cristo.

O Papa João Paulo II numa de suas alocuções, pergunta:
  • “Acaso, este Coração não é daquele que andava de um lugar para o outro fazendo o bem? (Atos 10,38).
  • Acaso, não é este o Coração daquele que fez com que os cegos enxergassem, os coxos andassem, os mortos ressuscitassem, e que o evangelho fosse anunciado aos pobres? (Luc. 7,22).
  • Acaso, não é este o Coração de Jesus que não tinha onde reclinar a cabeça, quando as raposas tinham suas covas e os pássaros seus ninhos? (Mat. 8,20).
  • Acaso não é este o Coração que defendeu a mulher colhida em adultério, prestes para ser apedrejada e que depois lhe disse: ‘Vá e não peques mais’? (João 8,32,10)”.


O Catecismo da Igreja Católica, descreve o amor do Coração de Jesus nestes termos:
  • “Por ter Jesus aceito no seu Coração humano o amor do Pai para com os homens, amou-os até o fim (João 13,1),
  • pois ninguém tem maior amor do que aquele que da a sua própria vida por seus amigos. (João 15,13)
  • Desta forma, a sua natureza humana, na paixão e morte, tornou-se livremente e plenamente instrumento do seu divino amor, que quer a salvação dos homens” (nº 609).


 

As chagas de Cristo
O amor divino atingiu o seu ponto mais alto no sacrifício de Cristo no Calvário, e cuja realização está no traspasso do Coração de Jesus com a lança.

  • Sobre as chagas de Cristo dá-nos atenta reflexão o evangelista João que nos relata de como o soldado traspassou com a lança o lado de Jesus, e, após a ressurreição de Jesus, também o encontro do Ressuscitado com os apóstolos, mormente com Tomé.
  • O Diretório para as devoções populares e a Liturgia, publicado no ano 2000 pela Congregação para a Liturgia e os Sacramentos, tem, com relação a este fato, o seguinte teor:
  • “Num certo sentido, podemos dizer que a devoção em honra do Coração de Jesus é a transferência para a forma litúrgica daquele aspecto que todas as gerações de cristãos, no que diz respeito aos textos proféticos e evangélicos, a dirigem a Ele que foi traspassado (cf. Jo. 19,37; Zac. 12,10),
  • ou seja, ao lado de Cristo traspassado pela lança, e do qual jorrou sangue e água como símbolo do estupendo sacramento de toda a Igreja.
  • O texto do Evangelho de João, que relata sobre as mãos e o lado que Jesus mostrou aos discípulos (cf. Jo. 20,20),
  • bem como o apelo a Tomé, para que este colocasse a sua mão no seu lado (cf. Jo. 20,27), influíram consideravelmente para dar início e desenvolvimento à devoção em honra do Sacratíssimo Coração (nº 167). 

O Coração de Maria
A sagrada Escritura refere-se também ao Coração de Maria.
O evangelista Lucas relata que Maria guardou em seu Coração tudo o que ouviu dos pastores acerca de Jesus, conferindo no seu Coração (Lc. 2,19). 



Referindo-se ao encontro de Jesus no templo, o mesmo Evangelista repete mais uma vez este fato, quando escreve: “E sua mãe conservava todas estas palavras no seu Coração (Lc. 2,51).”
Com isso, o Evangelista quis observar a profundeza espiritual do Coração de Maria, todo ele completamente dedicado a Jesus. Tal fato revelam também as palavras de Maria dirigidas ao Anjo: “Eis aqui a escrava do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc. 1,38).
Sobre o Coração de Maria fala também a profecia de Simeão:

  • “(...) e a espada traspassará a tua alma, a fim de se revelarem os pensamentos de muitos corações (Lc. 2,35). 
  • A profundeza espiritual do Coração de Maria revela de maneira excelente o cântico: Minha alma glorifica o Senhor (Lc. 1,46-55).
 Sagrado Coração de Jesus, sede nosso Amor, Imaculado Coração de Maria, sede a nossa salvação.

2 comentários:

Meri Pellens disse...

Doce Coração de Jesus, sede nosso amor; Doce Coração de Maria, sede nossa salvação.

Olá, irmãos! É sempre muito bom encontrar blogs como este na blogosfera.

Paz e Bênçãos!

Maria Lygia disse...

Queridos irmãos,
Parabéns pelo maravilhoso blog!O conteúdo é simples e profundo.
As imagens de singular sensibilidade.
Deus os abençoe pela Virgem sempre!
Maria Lygia.